Devaneios e Afins

sexta-feira, março 13, 2009

Admito: não deve ser fácil gostar de mim. Não gosto de meio-termo, de gente mais ou menos, de coisa mal-resolvida. Acredito em tudo ou nada, em sim eu não.

Ahhh, cansei do "pão-com-ovo".

sábado, março 07, 2009

"Não se esqueça de mim"

"Onde você estiver, não se esqueça de mim
Com quem você estiver, não se esqueça de mim
Eu quero apenas estar, no seu pensamento
Por um momento pensar, que você pensa em mim..."


Eu bem sei que os dias para nós ficaram menores, que horas agora passam mais rapido, e saudade dói pra burro. HOJE FOI MÁGICO.

Me desculpe. Eu pensava que casar fosse como na novela da Globo, e tudo vinha pronto como no Lar Doce Lar. Agora eu tenho trocentos empregos e mal consigo te ver. Daí, quando a gente se vê dá essa saudade abusrda nessas poucas horinhas que nos restam... Acho que, nesses 3 anos nunca ficamos tão afastados quanto agora.

Minha recompensa é saber que você está buscando a mesma coisa, e logo logo teremos nosso cantinho, nossas coisas, e tudo isso será vaga lembrança. Porque essa saudade dói muito. Te ver tão pouco dói demais. Saber que você me entende, que está batalhando tanto quanto eu para que esse futuro que a gente tanto quer aconteça.

Eu queria escrever umas coisas bonitas, mas tô com tanta saudade sabe... Tô ouvindo essa música da Nana Caymmi e chorando feito um bebê.

Aos amigos... Voltem a comentar no Blogspot. O fotolog é lento demais, e resolvi voltar pro meu cantinho. Prefiro o Devaneios e Afins lá.

Ahhh, tô tlisti.

terça-feira, fevereiro 24, 2009


Amanhã é o meu dia!

Há mais de 10 anos atrás, eu imaginava minha vida tão diferente do que é hoje. Eu me imaginava independente, trabalhando no que me formei, solteirona e curtindo a vida. Nem preciso dizer que, se olhar pro meus planos de passado, terei um degosto tremendo com o meu presente: Independência só das contas, com quase duas faculdades no curriculo e sem seguir nenhuma das duas áreas, de casamento marcado. Não posso dizer que não curto a vida, mas nem era bem isso que eu queria...

As vezes, pra ser bem sincera, eu tenho a sensação de que ainda não sei o que realmente quero da vida. E essa coisa de aniversário me dá um certo desgosto. Me vejo mais velha perdida nas minhas próprias idéias sem saber o que fazer. Eu pareço querer tudo ao mesmo tempo, e nenhum compromisso, com nada. Quase todos os dias eu não me entendo muito bem. Talvez minha maturidade nesse sentido ainda não tenha chegado.

Odeio esse filme que passa na cabeça... Minha vida, meus traumas. Meus namorados e namoradas, amigos, familia... Tanta gente que eu queria esquecer... Tanta gente que eu queria que estivesse aqui: Meus avós, minha Luma. Tanta gente que eu nem queria ter conhecido. Sinto uma sensação de querer voltar no tempo. Como se eu pudesse. Ah, se eu pudesse... Faria tudo denovo, risos.

Que venha os 25 anos no dia 25! Ainda acredito em finais felizes.

sexta-feira, fevereiro 13, 2009

Sessão Nostalgia


Saudades. Da época em que era tudo mais fácil. Que meus pais e avós durariam pra sempre. De não tomar decisões. Saudades gigantes, e que doem. Da época em que a cidade era enorme, e seu pai era o guia turistico. Da época que sua mãe não ficava doente, e você imaginava viver sem eles.

Saudade. Só isso.

Como diz a foto, fazer o que néam?

quinta-feira, julho 17, 2008

Eu por mim mesma

Não sou boa com números. Com frases-feitas. E com morais de história. Gosto do que me tira o fôlego. Venero o improvável. Almejo o quase impossível. Meu coração é livre, mesmo amando tanto. Tenho um ritmo que me complica. Uma vontade que não passa. Uma palavra que nunca dorme. Quer um bom desafio? Experimente gostar de mim. Não sou fácil. Não coleciono inimigos. Quase nunca estou pra ninguém. Mudo de humor conforme a lua. Me irrito fácil. Me desinteresso à toa. Tenho o desassossego dentro da bolsa. E um par de asas que nunca deixo. Às vezes, quando é tarde da noite, eu viajo. E - sem saber - busco respostas que não encontro aqui. Ontem, eu perdi um sonho. E acordei chorando, logo eu que adoro sorrir... Mas não tem nada, não. Bonito mesmo é essa coisa da vida: um dia, quando menos se espera, a gente se supera. E chega mais perto de ser quem - na verdade - a gente é.

domingo, junho 24, 2007

"And in this crazy life...

... And through these crazy times
It's you
It's you
You make me sing
You're every line
You're every word
You're everything...

You're every song
And i sing along
Cause you're my everything"
(Michael Bublé)



Há quase 01 ano eu descobri que amor tem nome. Sobrenome. E um jeito de sorrir que é remédio pra todo mal. Sabe quando você ama alguém tanto, a ponto de fazer qualquer coisa por essa pessoa? Pois é. Eu sou. Por você eu mato, morro e cometo os maiores pecados. Por você eu estouro meu cartão de crédito, eu minto, eu chego atrasada no trabalho, eu roubo, eu paro de escrever. Ou escrevo feito louca. Por você eu abro o meu coração e digo: leva! (E fecho os olhos, sabendo que você vai tomar de assalto. Mas e daí? O que é um sorriso dele perto de um coração que ficaria ali, vazio?). Tudo bem, às vezes eu exagero. Mas é assim. Não tem jeito. Sou exagerada e ponto. Por você eu acordo e penso: quero ser uma pessoa melhor. Muito melhor! Todo dia. O dia inteiro. Porque você é motivo. Você é referência. Você é minha poesia bonita. E bota bonita nisso! Quando eu olho pra você eu acredito que há esperança no mundo, que existe futuro. Afinal um Deus que faz uma pessoa que deixe nesse estado é capaz de criar o impossivel. Concorda? E o melhor de tudo não é isso. Com você eu entendi o que é amor incondicional. Com você eu aprendi como é melhor a vida quando a gente SABE PERDOAR E RECOMEÇAR. Porque hoje eu sei. (E como sei!). Pois é. Agora eu quero mostrar onde eu aprendi isso. E eu aprendi com você, meu namorado iôiô. Você que é mais alto, mais cheiroso e mais vaidoso que eu (o que me mata de inveja). E eu olho pra você - se arrumando correndo pra virar a noite no trabalho - e só sinto uma coisa. AMOR. ORGULHO. ADMIRAÇÃO. Engraçado como as coisas são. Eu estou escrevendo e pensando: não existe uma pessoa perfeita, um amor perfeito, um namorado perfeito, uma frase perfeita. CERTO? Errado!!! Vou discordar de mim agora. Eu sou a favor da imperfeição (sempre) mas isso não quer dizer que não existam alminhas bonitas no mundo que - aos meus olhos - pareçam perfeitas. Dá licença? SIM, a perfeição existe. E - embora você seja de lua e tenha umas manias esquisitas - pra mim, é perfeito. Porque o que eu sinto por você é infinitamente maior que todas as coisas desse mundo.

ps.: Amoooo, infelizmente eu não consegui escrever um texto com a calma e todas as palavras que eu queria. Mas quem precisa de texto, de perfumes, de calça jeans, de tênis caros quando se tem TODO O MEU AMOR?

Nem precisa responder.

Eu já sei.

Ai.

(Acho que criei um monstro).

sábado, maio 19, 2007

Pausa. Momento de reflexão. A chuva lá fora cai com vontade. Guardas-chuvas se abrem e se tropeçam O trânsito pára. Pessoas correm. Malu olha pelo canto da porta e fica com os olhos fixos no infinito. Os pingos escorrem rápido no vidro e a cadela não se mexe, nem desvia do vento frio que entra por uma fresta. Por um segundo me sinto feliz. E me sinto pequena. Diante de tudo isso que é a vida. Talvez Malu entenda o mundo melhor que eu. Não sei. Esse é o meu crime. De pouco que sei, de quase nada entendo. Apenas sinto. E vou...

Eu queria chegar ao ponto de não precisar escrever. Aí deixaria um post totalmente em branco onde cada um pudesse encher com seus próprios desejos. Mas há urgência em mim. Eu preciso sentir, tocar, ouvir. Eu preciso conhecer. Eu preciso de certezas, dores e grandes alegrias. Ando escrevendo com muita lentidão. É preciso desconfiar disso. Sei que as palavras são minha terapia. Será que terei alta um dia? Meu final de semana me rendeu muitos risos, beijos e um coração confuso. Ao dizer confuso, não pensem que estou triste. Estou apenas sendo sincera. Nem tudo que é confuso é necessariamente ruim. E estou vendo com clareza toda essa loucura. Será que entendo aquilo que vejo? Ganhei de presente uma tarde maravilhosa, uma mensagem não respondida, uma dúvida, uma certa indignação comigo mesma. Ando me contentando com pouco e isso pode não ser bom. Lembro que um amigo me disse que não posso ligar a idéia de felicidade à dificuldade. Eu complico a vida por sentir culpa de ser feliz. Será? Tenho que parar de me analisar. Dá uma dor danada enxergar a verdade. Tenho que me perdoar também. Li em algum lugar que culpa abafa o coração. Achei a idéia horrível. Melhor deixar o coração respirar. Melhor aceitar que a gente deve ser egoísta e gostar de quem gosta da gente. Ando trabalhando nisso. Acho que até o final do ano eu consigo.